domingo, 28 de junho de 2015

TER A VERDADE = "LÍNGUA" PURA. TER A VERDADE ATUAL = "LÍNGUA" PURA"? ®


         Nos artigos escritos até o momento neste Blog  tenho procurado demonstrar como é irreal a afirmação das TJ quando advogam que têm A VERDADE (isso é – que cada uma de suas crenças, como ensinadas hoje, coincidem com aquilo que a Bíblia realmente ensina).
        
         A doutrina da “iluminação progressiva” (que vale para o Corpo Governante – CG – e não sobre cada TJ individualmente) se por um lado é muito útil para isentá-lo da responsabilidade pelos mutantes entendimentos que adota, nos mais diversos pontos de fé ao longo de sua história, por outro, tem dois efeitos colaterais muito ruins, quais sejam:

1 - Transferem toda a responsabilidade pelas inúmeras mudanças de entendimento para o próprio Jeová – afinal é Jeová quem escolhe qual “nova luz” enviar e quando será enviada para o CG, assim, se as TJ passam décadas acreditando que têm o entendimento bíblico correto sobre certo ponto de fé e este vem a mudar radicalmente com o tempo, foi Jeová quem permitiu que as TJ ficassem com aquele entendimento imperfeito (porém o ensinando a terceiros como se fosse – A VERDADE, aquilo que a Bíblia realmente ensina) para somente após muitos anos promover a correção (que ainda pode precisar de novas correções)!

2 - Quem afirmar ter – A VERDADE SOBRE BÍBLIA – (como as TJ quando, por exemplo, produziram um livro com o título “O que a Bíblia Realmente Ensina?”) mas que, na realidade, defende que cada ponto de sua fé está sujeito a uma progressiva revelação da verdade, na realidade, nunca sabe se já tem A VERDADE sob cada ponto de fé ou se ainda falta uma ou mais novas “luzes” para se chegar, finalmente, A VERDADE FINAL E IMUTÁVEL sobre cada ponto.

É por tal razão que o CG, coerentemente, (embora de forma bastante rara) defende que, na realidade, o que possuem as TJ é a VERDADE ATUAL sobre cada tema bíblico.

A afirmação mais contundente que conheço neste sentido (como já destacado em artigos anteriores) está no Ministério do Reino de 1985 que questiona das TJ:

Está ‘efetuando plenamente o seu ministério’? (2 Tim. 4:5) Cumpre fielmente suas designações teocráticas e mantém-se a par da VERDADE ATUAL por estudar diligentemente a Palavra de Deus e o mais recente alimento espiritual distribuído pelo “escravo”? — Mat. 24:45-47.

Note-se que para não ficar desatualizado nA VERDADE, é necessário “consumir” o mais recente alimento distribuído pelo “escravo”!

Mas, ao assim fazerem, as TJ se mantêm a par da VERDADE final e definitiva sobre cada tema Bíblico?

Não! – Assim elas se mantêm
 a par apenas da - Verdade ATUAL, que pode
ou não mudar ao longo dos anos, razão pela qual
ainda que já se trate de uma verdade definitiva, deve continuar sendo encarada como (mera) VERDADE ATUAL!

         A incoerência (incoerência muito útil como já destacamos em um artigo anterior) se dá quando a literatura da STV (e aí de forma massiva) “bate forte” em afirmar que aquilo que as TJ têm é  - A VERDADE (final e imutável sobre cada tema bíblico).

         A partir deste ponto vou me centrar em uma destas afirmações que negam que aquilo que as TJ têm é A Verdade ATUAL para incutir fortemente na mente das TJ que aquilo que elas possuem é – A VERDADE ABSOLUTA - sobre cada uma do inteiro conjunto de suas crenças.

No livro do profeta Sofonias, em seu capítulo 3, verso 9; lemos:

Pois então darei aos povos a transformação para uma língua pura, para que todos eles invoquem o nome de Jeová, a fim de servi-lo ombro a ombro.

O texto inspirado afirma que é Jeová quem transformará a língua dos povos em uma “língua pura”.

Agora vejamos como as TJ entendem esta “língua pura” do verso indicado:

3:9 — O que é a  “língua pura”, e como é falada? É A VERDADE de Deus contida na sua Palavra, a Bíblia. INCLUI TODOS OS ENSINOS BÍBLICOS. Falamos essa língua por crer na verdade, por ensiná-la corretamente a outros e por viver em harmonia com a vontade de Deus.
Sent. 15/11/07 p.11

Se as TJ já falam com “língua pura” é porque Jeová já lhes deu (via CG) todas as suas verdades em todos os ensinos bíblicos e as TJ “exercitam” esta “língua pura” por crer em tais ensinos e por ensiná-los a outros.

Assim, as TJ, defendem que já têm esta “língua pura”, quando, por exemplo, publicam um livro denominado “O que a Bíblia realmente Ensina?” e ainda fazem afirmações tais como:

Assim, EMBORA ESTEJAMOS TOTALMENTE CONVENCIDOS DE QUE TEMOS A VERDADE, é sensato evitar falar de modo dogmático. ?
Ministério do Reino - 8/02 p.8 pr. 5

Porém, ao lado de tais ousadas afirmações de que já têm a VERDADE TODA ou a  “LÍNGUA PURA” lemos outras afirmações que desmentem tal convicção!

Note este exemplo:

É verdade que os irmãos que preparam essas publicações não são infalíveis. Seus escritos não são inspirados assim como eram os de Paulo e dos outros escritores bíblicos. (2 Tim. 3:16) E assim, às vezes, tornou-se necessário corrigir conceitos, conforme o entendimento se tornou mais claro. (Pro. 4:18) No entanto, isto tem resultado no constante refinamento do conjunto de verdades baseadas na Bíblia, aceitas pelas Testemunhas de Jeová.
Sent. 15/8/81 p. 19

Ora! Quem precisa CORRIGIR CONCEITOS, já tinha os CONCEITOS CORRETOS antes da correção?

Quem tem um CONJUNTO DE VERDADES em CONSTANTE MUDANÇA já tem um conjunto de verdades finais e definitivas ou tem um conjunto de verdades mutantes? (e verdades mutantes são verdades?)

Diante da flagrante contradição a solução honesta seria indicar SEMPRE que, na realidade, o que se têm são apenas - Verdades ATUAIS e que, portanto, se está caminhando em direção a se obter uma “língua” pura.

O CG até usa (embora raramente) de tal honestidade quando admite em suas publicações que aquilo que ensina  é a VERDADE ATUAL, porém, assim o faz não no objetivo de ser (eventualmente) honesto! Quanto ressalta tal realidade o objetivo está apenas em criar um ambiente propício para que as TJ sintam que ao seguir seus ensinos têm A VERDADE EM TUDO O QUE ACREDITAM e, ao mesmo tempo, quando necessário proteger esta primeira certeza, contraditoriamente, admitem que aquilo que possuem é (apenas) a VERDADE ATUAL – e com isso se consegue fazer com que tais incompatíveis realidades “vivam” harmoniosamente na mente das TJ!

É por esta razão que não se pode encontrar, pelo menos até onde eu saiba, em um mesmo texto do CG, a afirmação de que as TJ têm "Língua Pura" (o conjunto completo de verdades finais e definitivas dadas por Jeová) e, também, a afirmam que creem apenas na "Verdade Atual" (isso é, têm uma língua pura em construção).

Encerro perguntando:

“Língua pura” ou “língua” manipuladora?
Qual a "língua" do CG?
-------------------------------

    Quer comentar? Quer discordar? Quer sugerir alguma melhora no texto? Quer indicar alguma necessária correção gramatical?

Escreva para mim - 1tessalonicenses5.21@gmail.com (desde já - agradeço).


sexta-feira, 19 de junho de 2015

DUAS O MAIS VERDADES SOBRE O MESMO TEMA BÍBLICO? ®


 “Não pode haver duas verdades, quando uma não concorda com a outra. Ou uma ou a outra é verdadeira, mas não ambas. Crer sinceramente em alguma coisa e praticá-la não a torna certa, se realmente for errada”.
Lv. Poderá Viver para Sempre... Cap. 3, p.32 §19

Continuando a tratar do tema “verdade” vou, à partir do título sugerido e da lógica incerta na transcrição acima, refletir um pouco mais sobre a dualidade que “reside” harmoniosamente nas mentes das TJ (isso é - a afirmação e a negação de que as TJ tem e ensinam - A VERDADE – final e absoluta, sobre cada tema bíblico) algo promovido pela própria literatura da STV e que acaba sendo extremamente útil pois leva a TJ a acreditar que cada ponto de sua fé é a verdade, é aquilo que a Bíblia realmente ensina, mesmo quando quaisquer de tais pontos são mudados pela mais nova Sentinela idealizada pelo Corpo Governante e isso, mesmo quando a “nova luz” traz a negação daquilo que se vinham crendo e ensinando até então, as TJ continuarão acreditando que tinham e que continuam tendo a verdade naquele e em todos os demais ponto de sua fé que vierem a mudar - uma ou mais vezes!

         No último artigo destaquei o fato de que as TJ na realidade tem (e admitem que têm) não - A VERDADE -, mas sim - a verdade ATUAL.

Como visto naquele artigo é raro o Corpo Governante destacar a expressão “verdade atual” na literatura que produz, mas o faz de tempos em tempos e com isso ajuda a manter a dualidade indicada.

A fim de refletir um pouco mais vou repetir abaixo um trecho da Sentinela que inclui no artigo anterior (a confissão de que as TJ tem, na realidade, não – A VERDADE – mas sim apenas – a verdade ATUAL).

6 (...) Está ‘efetuando plenamente o seu ministério’? (2 Tim. 4:5) Cumpre fielmente suas designações teocráticas e mantém-se a par da VERDADE ATUAL por estudar diligentemente a Palavra de Deus E O MAIS RECENTE alimento espiritual distribuído pelo “escravo”? — Mat. 24:45-47.
Ministério do Reino – nov./1985 p.3

Com base no afirmado acima vamos cogitar a seguinte situação hipotética:

- Uma TJ vem a desenvolver uma doença grave e rara, doença descoberta no final do ano de 2013. Em razão disso ela é convidada e aceita o convite para passar um ano em um Instituto de pesquisas médicas localizada em um país estrangeiro (onde há um grupo de médicos especialistas na doença desenvolvida pela TJ).

A TJ tem as seguintes notícias sobre o país para onde irá: ali a obra das TJ é proibida e por isso nenhuma literatura da STV está ali disponível e todos as pessoas ali têm o costume de discordar e argumentar contra qualquer posicionamento defendido pelas TJ.
Assim, ainda em 2013 a TJ viaja para o referido pais e por isso não vem a tomar conhecimento da Sentinela de 15/01/2014 pg. 31.

Neste Sentinela um importantíssimo ponto de fé das TJ sofreu (mais uma) alteração radicalíssima, a última que se tem notícia (como o objetivo aqui não é tratar do tema tratado por tal Sentinela, vou ser o mais sucinto possível ao mencionar tal tema).

Antes da “nova luz” que veio na Sentinela edição de 15/01/2014, estava vigente (a respeito do mesmo ponto de fé) a “luz” expressa na Sentinela de 1/11/1995 p.19, segundo a qual:

A “geração” que passará
10 Examinemos mais de perto a declaração de Jesus em Mateus 24:34, 35: “Deveras, eu vos digo que esta geração de modo algum passará até que todas estas coisas ocorram. Céu e terra passarão, mas as minhas palavras de modo algum passarão.” As palavras seguintes de Jesus mostram que ‘ninguém sabe acerca daquele dia e daquela hora’. Ele mostra que é muito mais importante que evitemos os laços que nos cercam nesta geração. (...)
11 Esta não foi a primeira vez que os apóstolos ouviram Jesus fazer esta comparação entre ‘gerações’, pois alguns dias antes ele declarara a respeito de si mesmo: “O Filho do homem . . . tem de passar por muitos sofrimentos e ser rejeitado por esta geração. Ademais, assim como ocorreu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem.” (Lucas 17:24-26) Portanto, o capítulo 24 de Mateus e o capítulo 17 de Lucas fazem a mesma comparação. Nos dias de Noé, “toda a carne [que] havia arruinado seu caminho na terra” e que foi destruída no Dilúvio era “esta geração”. Nos dias de Jesus, o apóstata povo judeu que rejeitava a Jesus era “esta geração. — Gênesis 6:11, 12; 7:1.
12 Portanto, hoje, no cumprimento final da profecia de Jesus, “esta geração” 1parece referir-se aos povos da terra que vêem o sinal da presença de Cristo, mas que não se corrigem.
1OBS – O fato da Sentinela ter usado o termo em azul acima (parece referir-se) não deve levar à conclusão de que esta “nova luz” sobre a “geração que não passará” foi vacilante em sua conclusão, como se tal conclusão fosse uma possibilidade e não uma certeza – as TJ, realmente, passaram a encarar a “geração que não passará” mencionada por Jesus no capítulo 24 do Evangelho de Mateus, como sendo uma – GERAÇÃO FORMADA DE PESSOAS  INÍQUA.
A fim de comprovar isso cito a Sentinela de 1/5/97 p. 29, que nos dá a interpretação exata do que deve ser entendido das palavras da Sentinela de 1/11/95:
Acontece, conforme se explicou em A Sentinela de 1.° de novembro de 1995, que Jesus aplicou a frase “esta geração” a pessoas iníquas, contemporâneas. (Mateus 11:7, 16-19; 12:39, 45; 17:14-17; Atos 2:5, 6, 14, 40)   

Assim, a partir de 1/11/95 todas as TJ no mundo passaram a entender que a geração mencionada por Jesus era composta de - pessoas iníquas.
Mas, no início do ano passado (2014) a Sentinela trouxe (mais) uma “nova luz” sobre a “geração” a que Jesus se referiu. Segundo esta “nova luz”:

15 Em sua profecia detalhada sobre a terminação deste sistema, Jesus disse: “Esta geração de modo algum passará até que todas estas coisas ocorram.” (Leia Mateus 24:33-35.) Entendemos que, por mencionar “esta geração”, Jesus estava se referindo a dois grupos de cristãos ungidos. O primeiro grupo é composto de irmãos que estavam vivos em 1914 e que discerniram prontamente o sinal da presença de Cristo naquele ano. Eles não pertenciam a esse grupo apenas por estarem vivos em 1914, mas por terem sido ungidos por espírito como filhos de Deus naquele ano ou antes. — Rom. 8:14-17.
16 O segundo grupo incluído em “esta geração” são ungidos contemporâneos dos membros do primeiro grupo.
Sent.15/01/14 p.31
Assim em menos de 20 anos a geração mencionada por Jesus passou de “PESSOAS INÍQUAS” para “IRMÃOS” e “CRISTÃOS UNGIDOS”!?
Voltando para nossa situação hipotética imaginemos que a TJ em tratamento venha a comentar com o um dos médicos que a Bíblia ensina que a geração que Jesus mencionou em Mateus é composto de pessoa iníquas.
De acordo com o costume local, o médico vem a fazer uma ferrenha defesa de que as pessoas que pertencem a dita geração, na verdade, não são iníquas, mas sim, verdadeiros cristãos (por um acaso o mesmo entendimento que as TJ passaram a ter, mas que aquela TJ em especial não sabe e, naquele momento, não acredita).
A TJ usa toda a argumentação que aprendeu na Sentinela de 1995 e tem certeza de que está correta no que está afirmando pois tem a seu favor os textos bíblicos citados em apoio naquele e em outras Sentinela posteriores que trataram do tema. Além disso crê que está falando daquilo que foi transmitido pelo “único canal de comunicação que Jeová usa”, assim, permanece firme em sua posição, afinal, sabe que tem a verdade, acredita que propaga apenas aquilo que a Bíblia realmente ensina e não será um contestador que a irá  arrancá-lo da verdade em absolutamente nada.
Porém, uma vez curado e de volta a seu pais, procura ler todas as Sentinelas a que não teve acesso no ano em que permaneceu fora (a fim de, finalmente, consumir o alimento mais atual) e com isso vem a descobrir o que médico contestador tinha razão!
Como pode tal hipotética TJ continuar acreditando que tinha razão antes de viajar e que continuou a ter razão depois que voltou de viagem em relação à geração mencionada por Jesus?
E pior ainda – Como pode você, TJ que está lendo este artigo (e que também viu a radical mudança no ensino sobre a geração mencionada por Jesus), acreditar que aquilo que você, enquanto TJ, realmente tem (nãoA VERDADE – mas sim a - verdade ATUAL) “verdade” que pode ficar desatualizada a qualquer tempo e que pode atingir (potencialmente) qualquer ponto de sua fé e que quando assim ocorre, pode te levar  a negar completamente aquilo que hoje você acredita e ensina a terceiros como sendo:

A VERDADE, AQUILO QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA???

Se sua mente, de alguma forma, ainda consegue se acomodar em tal ilusão, te convido a ler, novamente, as seguintes e corretas palavras:

“Não pode haver duas verdades, quando uma não concorda com a outra. Ou uma ou a outra é verdadeira, mas não ambas. Crer sinceramente em alguma coisa (...) não a torna certa, se realmente for errada”.
Lv. Poderá Viver para Sempre... Cap. 3, p.32 §19

Que nosso amado Jeová, possa abrir sua mente para esta realidade, afinal, por mais confusão que ela possa vir a causar – será uma santa e libertadora “confusão”.

Disse Jesus – Conhecereis a VERDADE (e não a dita – verdade atual) e a VERDADE – vos libertará!
--------------------------------
Quer concordar? Quer discordar? Quer acrescentar algo? Quer indicar alguma necessária correção gramatical no texto?

Escreva para mim – 1tessaloniceneses5.21@gmail.com
 Desde já expresso meu agradecimento.

terça-feira, 16 de junho de 2015

VERDADE ATUAL? ®

         Continuando a tratar do mesmo tema proposto nos artigos anteriores deste Blog, inicio indicando algo que sempre constatei ao longo das muitas conversações que já mantive com as TJ:

O CG tem a habilidade de fazer as TJ acreditarem em duas verdades, conflitantes entre si, mas que conseguem conviver em harmonia na mente das TJ, são elas:

1 - Tudo que sei enquanto TJ é a verdade, é aquilo que a Bíblia realmente ensina.

2 - Se um determinado ponto, que hoje entendo como sendo aquilo que a Bíblia realmente ensina, amanhã, for completamente alterado pelo CG, continuarei, como sempre, sabendo o que a Bíblia realmente ensina sobre tal ponto.

 Sua mente, TJ que está lendo este artigo, na prática, não funciona exatamente assim? 

Quando o CG ensina “uma nova verdade” sobre um "velho" tema bíblico você fica tão empolgado com a "nova luz" recebida que sua mente não encontra espaço para pensar: 
Se aquilo que cria como sendo a verdade, aquilo que a Bíblia realmente ensina mudou,  no que, na verdade, eu estive acreditando e ensinando até então?
  
Assim, ao invés do que seria natural - Surgir na mente da TJ a pergunta: “MAS A VERDADE, MUDA?” o que surge é satisfação por se enxergar na “nova luz” uma “prova” de que Jeová está refinando o entendimento de seu povo!

OBS - Visando tentar tornar claro para as  TJ que a mentre TJ funciona, vou propor um exercício no final deste artigo.

Cada ponto daquilo que uma TJ crê e ensina como sendo verdade bíblica nesta data, já pode ser uma verdade final e imutável (não mais sujeita a receber "luzes" modificativas, mas apenas confirmativas) como também pode ser um entendimento que ainda necessita de uma ou mais luzes para chegar a condição de plena e imutável verdade bíblica, mas, como não há meios de distinguir entre as duas possibilidades, isso deve levar à conclusão de que aquilo que você crê e ensina hoje (como sendo aquilo que a Bíblia realmente ensina) na melhor das hipóteses deve ser chamada de - VERDADE ATUAL - a verdade como atualmente entendida!

Sendo esta uma realidade inegável, deveria a literatura da STV e as TJ enfatizarem com frequência que aquilo que creem e ensinam, na verdade, nada mais são que "verdades atuais", porém, procurando na maior parte da literatura produzida pela STV no Brasil entre 1970 a 2015 (45 anos de impressões cuja menor periodicidade foi mensal) vemos em tal literatura apenas 8 vezes a expressão – VERDADE ATUAL! (na média, uma menção a cada 5 anos e meio)!

Como provavelmente você irá perceber no exercício que irei propor abaixo, não seria conveniente a STV dar grande destaque ao fato de que aquilo em que acreditam as TJ são apenas - VERDADES ATUAIS -, pois isso, efetivamente, se contradiz com a alegação de que as TJ têm – A VERDADE.

Como prova disso temos que, se por um lado as literaturas da STV são extremamente tímidas em revelar que as crenças das TJ são apenas – verdades ATUAIS – por outro, propagandear que aquilo em que acreditam e ensinam é – A VERDADE – É AQUILO QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA é algo muito constante (o que revela um esforço propagandístico notório em esconder a realidade). Note dois exemplos:

5 -Algumas pessoas que se opõem a nós talvez mudem. Você pode ajudar os que se opõem a você não por transigir, mas por se apegar ao seu temor a Deus e amor a ele. Veja o caso dos parentes de Jesus. De início, eles não acreditaram em Jesus, mas disseram: “Ele perdeu o juízo.” (Marcos 3:21; João 7:5) Mais tarde, depois da morte e ressurreição de Jesus, muitos deles se tornaram cristãos. Os meios-irmãos de Jesus Tiago e Judas até mesmo escreveram partes das Escrituras. Houve também o caso do perseguidor fanático Saulo, que se tornou o apóstolo Paulo. Alguns que atualmente nos causam problemas, devido à nossa posição corajosa, talvez vejam que TEMOS A VERDADE BÍBLICA. — 1 Timóteo 1:13.”  
Sent.1/3/09 – p.14

5 A modéstia e a humildade mental lubrificam as engrenagens da comunicação. (Pro. 11:2; Atos 20:19) As pessoas se sentiam atraídas a Jesus porque ele era “de temperamento brando e humilde de coração”. (Mat. 11:29) Por outro lado, uma atitude de superioridade afasta as pessoas. Assim, EMBORA ESTEJAMOS TOTALMENTE CONVENCIDOS DE QUE TEMOS A VERDADE, é sensato evitar falar de modo dogmático.
Ministério do Reino - 8/02 p.8 pr. 5

OBS – A única e verdadeira razão para as TJ não demonstrarem uma atitude de superioridade, está no fato de que, na realidade, tudo o que as mesmas têm sobre a Bíblia são -  verdades ATUAIS - mas o CG nunca deixará de afirmar coisas como esta que se lê acima, pois, é assim que  garantem o controle sobre as TJ, em especial, quando fazem mudanças doutrinárias.

Dentre as raras vezes que a expressão - Verdade Atual – pode ser encontrada vou citar uma que aparece em um outro “Ministério do Reino” (para aqueles que não são TJ é importante dizer que o "Ministério do Reino" é um boletim interno das TJ e por isso não distribuído publicamente):

6 Quais são algumas das coisas que podemos fazer para procurar alcançar novos privilégios e tornar manifesto o nosso progresso? Todos podem esforçar-se a manifestar os frutos do espírito num grau maior. (Gál. 5:22, 23) Também é importante assistirmos regularmente às reuniões, sermos zelosos proclamadores das boas novas e procurar ser de ajuda e encorajamento para os demais membros da congregação. Está fazendo empenho nesses campos? Está ‘efetuando plenamente o seu ministério’? (2 Tim. 4:5) Cumpre fielmente suas designações teocráticas e mantém-se a par da VERDADE ATUAL por estudar diligentemente a Palavra de Deus E O MAIS RECENTE alimento espiritual distribuído pelo “escravo”? — Mat. 24:45-47.

Ministério do Reino – 11 de 1985 p.3

Note que ao citar “verdade atual” e “o mais recente alimento” se está englobando o inteiro conjunto de crenças e não a um ponto em particular, logo, todos os pontos de fé das TJ não passam de VERDADE ATUAL e para se saber se a verdade atual permanece atual só há uma forma - é necessário “consumir” o MAIS RECENTE alimento!

         Porém, vamos retirar o foco da “nova luz” e vamos observar o que, realmente, era aquilo que se cria e ensinava até o surgimento da “nova luz”:

Vou fazer algo bem didático para que não haja dúvidas do que pretendo demonstrar:

Complete as parêntesis abaixo com V (para Verdadeiro) e F (para Falso) referentes à prática – X

A Verdade sobre X - segundo uma última Sentinela que tratou desta prática (digamos, a 20 anos atrás) foi:

       -  X é uma prática cristã e, portanto, deve ser exercida.

- As TJ devem praticar X e defendê-la como sendo “a verdade, aquilo que a Bíblia realmente ensina” (___).

A Verdade sobre X - segundo a próxima Sentinela que voltará a tratar da prática X (digamos, no mês que vem) é:

- X não é uma prática cristã e, portanto, deve ser rejeitada.


- As TJ não devem praticar X e devem ensinar que tal prática é, definitivamente, condenada na Bíblia. (___)

Releia as alternativas, veja como preencheu os parêntesis e se pergunte:
– Foi Jeová o responsável por ambos
 os ensinos sobre a prática X?

Se restar alguma dúvida, veja o que afirma o Lv. Poderá Viver... 


Não pode haver duas verdades, quando uma não concorda com a outra. Ou uma ou a outra é verdadeira, mas não ambas.
Cap. 3, Pg. 32 par. 19

Não obstante a lógica envolvida na citação acima, há literatura da STV (como aquela que vou citar abaixo) que responde com um sim à pergunta: "Foi Jeová o responsável por ambos os ensinos sobre a prática X? 

Isso nos leva a concluir  (se corretas as reivindicações do CG) que o próprio Jeová foi: 1 - o responsável pela comunicação de uma prática anticristã às TJ. 2- Manteve as TJ praticando algo anticristão por longos anos. 3 - Promoveu a prática anticristã como - a verdade, aquilo que a Bíblica realmente ensina!

 Veja com seus próprios olhos:

10 No seu número posterior de 1.° de janeiro de 1892 (página 9, em inglês) a revista Torre de Vigia (em português, hoje, A Sentinela) disse sob o cabeçalho “Vistas Desde a Torre” o seguinte:
Poucos são os que conhecem estes colportores como os verdadeiros representantes do Senhor, ou reconhecem a dignidade que o Senhor vê na humildade e na abnegação deles. Missionários? Não, diz o mundo e a igreja nominal, os nossos é que são os missionários, que vão a países estrangeiros. Sim, diz o Senhor, estes são os meus missionários, incumbidos duma grandiosa missão — . . .
Ministros? Não, diz o mundo e a igreja nominal, apenas os nossos, que usam veste “clerical” e pregam de nossos púlpitos é que são ministros de Deus. Sim, diz o Senhor, são meus servos (ministros) porque me servem, distribuindo A VERDADE ATUAL aos da minha família. Eu é que enviei a mensagem que levam. Quem os despreza despreza a mim, e quem receber o selo na testa, que enviou por meio deles, conhecerá a doutrina, que ela procede de mim. “Minhas ovelhas conhecem a minha voz.”

SENT.15/9/81 P.22 Par. 10

OBS – Esta Sentinela coloca ou não Jeová como sendo a fonte de TODAS AS VERDADE ATUAIS que vão se sucedendo entre as TJ?
        
Vou dar um exemplo de uma “verdade” que em 1892 (ano em que foi publicada a Sentinela, em inglês, que afirmou o que se lê acima) era atual e que, portanto, era uma “mensagem que o próprio Jeová deu para que fosse levada” era uma “doutrina que procedeu do próprio Jeová” e quem não recebesse quem pregava tal doutrina e não se deixasse  selar na testa por ela, não estava recebendo ao próprio Jeová:

Por uns 35 anos, o Pastor Russell pensava que a Grande Pirâmide  de Gizé fosse a pedra de testemunho de Deus que confirmava períodos bíblicos. (Isa. 19:19)
Lv. Proclamadores cap. 14 p. 201

OBS - A afirmação acima é enganosa, pois, esta crença perdurou não por 35, mas sim, por cerca de 50 anos e isso não foi um mero “pensamento de Russell” foi sim algo ensinado como “verdade Bíblica” que se tornou conhecida por meio do “canal de comunicação de Deus”.

O livro daquela época que mais tratou desta crença foi o primeiro volume dos chamados “Estudos das Escrituras”, uma série de livros escritos por Russell, sendo que o nome completo de tal primeiro volume:

TÍTULO SUPERIOR – “O Divino Plano das Eras
   TÍTULO INFERIOR – “Conforme revela a Grande Pirâmide

OBS – Interessante observar que naquela época as TJ eram conhecidas como “Estudantes da Bíblia” assim, a primeira “testemunha de jeová” na STV foi esta pirâmide egípcia!

Para que se sinta todo o “peso” daquilo que a STV atribui a Jeová vou repetir parte do texto acima, incluindo nele esta “verdade atual” daquela época:
Ministros? Não, diz o mundo e a igreja nominal, apenas os nossos, que usam veste “clerical” e pregam de nossos púlpitos é que são ministros de Deus. Sim, diz o Senhor, são meus servos (ministros) porque me servem, distribuindo A VERDADE ATUAL DE QUE A GRANDE PIRÂMIDE NO EGITO É A MINHA TESTEMUNHA QUE REVELA MEU PLANO PARA AS ERAS aos da minha família. Eu é que enviei a mensagem que levam A RESPEITO DA PIRÂMIDE. Quem os despreza despreza a mim, e quem receber o selo na testa, que enviou por meio deles, conhecerá a doutrina SOBRE A PIRÂMIDE, que ela procede de mim. “Minhas ovelhas conhecem a minha voz.”

         Mas agora notem o que afirma a continuação do Livro Proclamadores acima mencionado:
        
Mas as Testemunhas de Jeová abandonaram a ideia de que uma pirâmide egípcia tenha algo que ver com a adoração verdadeira. (Veja os números de 15 de novembro e de 1.° de dezembro de 1928 da “Watchtower”.)
Lv. Proclamadores cap. 14 p. 201

OBS.1 – Ninguém pode abandonar o que nunca teve, portanto, se as TJ “abandonaram a ideia de que uma pirâmide egípcia tenha algo a ver com a adoração verdadeira”, é porque TINHAM ESSA IDEIA.

OBS.2 – No trecho acima há mais sinceridade que no anterior pois, revela que a “ideia de Russell” não era apenas uma opinião pessoal dele, mas sim, que era uma doutrina das TJ da época, eram elas que, a contrário sensu, pensavam que crer na Pirâmide como uma “testemunha pétrea de Jeová” e como reveladora dos planos de Deus para as eras, era parte da adoração verdadeira.

            Se você ficou escandalizado ao saber que a STV responsabiliza a Jeová por ter mantido como doutrina bíblica (por cerca de 50 anos) algo que nada tem a ver com a adoração verdadeira, deverá ficar estarrecido se vier a ler o que é afirmado em uma das Sentinelas (de 1928) cuja leitura foi indicada pelo Livro Proclamadores – v. o destaque em negrito na transcrição acima.

Segue uma transcrição (já traduzida) da Sentinela de 15/11/1928 p. 341 § 37:

"Então Satanás colocou o seu conhecimento na pedra morta, que pode ser chamada a Bíblia de Satanás, e não a testemunha de pedra de Deus.” !!!

Você realmente acredita que foi Jeová que deu uma doutrina de aceitação obrigatória que, na verdade, saiu da Bíblia de Satanás e permitiu que tal erro absurdo fosse defendido como aquilo que a Bíblia realmente ensina por 50 anos para só então trazer a correção? 

            Por fim vejamos mais uma afirmação de que as TJ tem a - Verdade Atual - a fim de mais um vez demonstrar que quem afirma ter - verdade atual – provavelmente não tem verdade alguma pois, mesmo que já tenha chegado a verdade plena sobre certo conhecimento bíblico, nunca poderá ter plena confiança nisso!
Deixar brilhar a luz
Jesus instruiu seus discípulos no sentido de partilharem com outros a luz da verdade divina que receberam dele. “Vós sois a luz do mundo”, disse ele. “Deixai brilhar a vossa luz perante os homens.” (Mat. 5:14-16; Atos 13:47) Charles Taze Russell e seus associados reconheciam que tinham a obrigação de fazer isso.
Achavam eles que tinham todas as respostas, a plena luz da verdade? A essa pergunta o irmão Russell respondeu de modo explícito: “Certamente que não; tampouco as teremos até o ‘dia perfeito’.” (Pro. 4:18, Almeida) Referiam-se com freqüência às suas crenças bíblicas como “a verdade atual” — não com a idéia de que a verdade em si mudasse, mas sim no sentido de que o entendimento por parte deles era progressivo.

TJ Proclamadores – Crescimento e conhecimento
 exato da verdade cap. 10 p.121-122

Ao ler este texto fica evidente o quanto é impossível àquele que defende ter a - verdade atual – defender também que já tem o – conhecimento exato da verdade – e note que a STV teve a coragem de fazer ambas as afirmações no mesmo capítulo do mesmo livro, como ocorre aqui onde as palavras acima transcritas se encontram em um capítulo do livro, denominado “Crescimento e conhecimento exato da verdade”!

Vamos arrazoar com base no texto transcrito acima: Em primeiro lugar sempre temos que lembrar que o pronome “eles” usado no texto não tem a ver com cada TJ, mas sim, com o "escravo fiel e discreto" – é ele que, na verdade, “não tem a plena luz da verdade” razão pela qual, tudo o que pode fornecer é a – verdade atual.

Analisemos agora o trecho sublinhado acima: O termo “verdade atual” não deve ser entendido como um indicativo de que “a verdade (verdadeira)” muda. Portanto para cada tema bíblica há uma única e imutável verdade.

Mas se é assim, então, o que muda?

O que muda é o entendimento do Corpo Governante (e a reboque, de todas as TJ no planeta) sobre cada verdade bíblica é isso o que muda, em tese, como algo necessário a se chegar na verdade final.

            Se, por um lado, a verdade é imutável, exatamente por ser a verdade e, de outro  - é o entendimento sobre a verdade que muda, e muda porque era mentira ou, no mínimo, porque não era toda a verdade, afinal, se já fosse – a plena verdade - porque mudar?

OBS – Nas várias vezes que já questionei isso a TJ a resposta mais comum que ouvi foi: “o entendimento, na verdade, não muda - no sentido de passar a ser o contrário daquilo que se pensava antes -  ele muda no sentido de ser aperfeiçoado, de se acrescentar a ele detalhes antes não conhecidos”.
             Não posso negar que, na teoria, esta é uma excelente explicação e também seria na prática se valesse para todas as 321 mudanças já ocorridas nas doutrinas das  TJ desde sua fundação até os dias atuais (informação obtida na internet) e em todas as demais que ainda vierem a ocorrer, mas isso está muito longe de ser a verdade:

Veja-se, de um por todos, o exemplo da Pirâmide de Gize:

Primeiro Jeová enviou uma nova luz revelando que  a Pirâmide era “Sua testemunha pétrea que revela Seu plano para as eras”. Cerca de 50 anos depois o mesmo Jeová manda nova luz afirmando que a mesma Pirâmide é: “a Bíblia de Satanás” – ambas as doutrinas transmitidas pela mesma fonte (o "escravo fiel de discreto") e ambas “as luzes” - atribuídas a Jeová!

Dá para defender que a “segunda luz” sobre a Pirâmide não alterou o entendi-mento que a “primeira luz” trazia, mas apenas a complementou, acrescentando novos detalhes?

OBS – Qual será o tamanho da responsabilidade daqueles que ensinam que é o próprio Jeová foi quem enviou tais “luzes”!?!

E para encerrar proponho (pela primeira vez) o seguinte exercício:

 Vou transcrever abaixo trechos daquilo que a publicação “Ajuda ao Entendimento da Bíblia” afirma no verbete – VERDADE. Peço que os leia com atenção:

Verdade
O termo hebraico ʼeméth, freqüentemente traduzido “verdade”, pode designar aquilo que é firme, digno de confiança, estável, fiel, verdadeiro ou fato estabelecido. (...)
Jeová, o Deus da Verdade. Jeová é o “Deus da verdade”. (...)
“O Espírito da Verdade.” O espírito que procede de Jeová Deus é puro e santo. (...) Sendo “o espírito da verdade”, o espírito santo de Deus jamais poderia ser a fonte do erro, mas protegeria os seguidores de Cristo das falsidades doutrinárias. (Veja 1Jo 2:27; 4:1-6.) (...)
‘Andar na Verdade.’ (...) Por outro lado, quem se afasta dos ensinos básicos do cristianismo, quer por se portar incorretamente, QUER POR ADVOGAR DOUTRINAS FALSAS, não mais está ‘andando’ na verdade. (...)
“Coluna e Amparo da Verdade.” A congregação cristã serve como “coluna e amparo da verdade e”, preservando a pureza da verdade, e defendendo-a e sustentando-a. (1Ti 3:15) Por este motivo, é especialmente importante que aqueles a quem se confiou a supervisão da congregação sejam capazes de manejar corretamente “a palavra da verdade”. O uso correto da Palavra de Deus os habilita a combater os ensinos falsos na congregação, instruindo “os que não estiverem favoravelmente dispostos, visto que talvez Deus lhes dê arrependimento conduzindo a um conhecimento exato da verdade. (2Ti 2:15-18, 25; compare isso com 2Ti 3:6-8; Tg 5:13-20.)”
 Agora perceba como o texto acima fica enfraquecido por algumas inserções da palavra ATUAL associada à palavra VERDADE:
Verdade
O termo hebraico ʼeméth, freqüentemente traduzido “verdade”, pode designar aquilo que é firme, digno de confiança, estável, fiel, verdadeiro ou fato estabelecido. (...)
Jeová, o Deus da Verdade. Jeová é o “Deus da verdade ATUAL”. (...)
“O Espírito da Verdade.” O espírito que procede de Jeová Deus é puro e santo. (...) Sendo “o espírito da verdade ATUAL”, o espírito santo de Deus jamais poderia ser a fonte do erro, mas protegeria os seguidores de Cristo das falsidades doutrinárias. (Veja 1Jo 2:27; 4:1-6.) (...)
‘Andar na Verdade.’ (...) Por outro lado, quem se afasta dos ensinos básicos do cristianismo, quer por se portar incorretamente, QUER POR ADVOGAR DOUTRINAS FALSAS, não mais está ‘andando’ na verdade ATUAL. (...)
“Coluna e Amparo da Verdade.” A congregação cristã serve como “coluna e amparo da verdade ATUAL e”, preservando a pureza da verdade ATUAL, e defendendo-a e sustentando-a. (1Ti 3:15) Por este motivo, é especialmente importante que aqueles a quem se confiou a supervisão da congregação sejam capazes de manejar corretamente “a palavra da verdade”. O uso correto da Palavra de Deus os habilita a combater os ensinos falsos na congregação, instruindo “os que não estiverem favoravelmente dispostos, visto que talvez Deus lhes dê arrependimento conduzindo a um conhecimento exato da verdade ATUAL. (2Ti 2:15-18, 25; compare isso com 2Ti 3:6-8; Tg 5:13-20.)

Encerro com as seguintes perguntas:

- Ter a VERDADE e ter a verdade ATUAL é a mesma coisa?

- Quem sabe que tem a Verdade ATUAL mas ensina a outros que aquilo que crê é a exata verdade bíblica, é aquilo que a Bíblia realmente ensina, está sendo honesto consigo mesmo e com aquele a quem ensina?
-----------------------
   Quer comentar? Quer discordar? Quer sugerir alguma melhora no texto? Quer indicar alguma necessária correção gramatical?

Escreva para mim - 1tessalonicenses5.21@gmail.com (desde já - agradeço).

sexta-feira, 12 de junho de 2015

A VERDADE, SEJA ELA GRANDE OU PEQUENA, MUDA? ®

 Nesta segunda reflexão que pretendo propor a você, TJ que entende que 1Ts.5:21 lhe é aplicável (razão pela qual você está lendo este artigo), tem relação com o primeiro artigo e de certa forma é uma continuação dele.

- No artigo anterior a última citação de Sentinela que fiz foi:

Sem conhecimento exato podemos ser enlaçados por ensinos falsos promovidos pelo opositor de Deus, Satanás, o Diabo, que é “mentiroso e o pai da mentira”. (João 8:44) Portanto, se certa doutrina contradiz a Palavra de Deus, se é uma mentira, então, crer nela e ensiná-la desacredita a Jeová e nos coloca em oposição a ele. Assim, temos de examinar cuidadosamente as Escrituras Sagradas para saber distinguir entre a verdade e a falsidade. (Atos 17:11) NÃO QUEREMOS SER COMO OS QUE ESTÃO “SEMPRE APRENDENDO, CONTUDO, NUNCA PODENDO CHEGAR A UM CONHECIMENTO EXATO DA VERDADE”. — 2 Timóteo 3:1, 7.
1/6/1988 p. 15, § 2o

OBS - Notem que as TJ não querem ser como aqueles que estão sempre aprendendo mas que, não obstante, nunca conseguem chegar a ter a exata verdade
Mas será que, realmente, não são?

Você deve ter notado que a REALIDADE afirmada na citação acima é, no mínimo, paradoxal com a “doutrina da iluminação progressiva”, pelo menos  para as TJ onde o crescimento no conhecimento da verdade, em última análise, não se dá de forma individual, *na busca de respostas diretamente na própria Bíblia, mas sim, por intermédio do estudo das Sentinela.
*OBS - Importante destacar que não estou afirmando que as TJ nunca procuram consultar diretamente a Bíblia para obter respostas as suas questões (note o termo em negrito acima – “em última análise”) mas apenas que terá sempre que entender como verdade a última “luz” recebida e que permanece vigente sobre cada tema bíblico.

A TJ que desconhece algum aspecto da verdade não precisa (e nem é conveniente) ir diretamente a Bíblia, basta pesquisar na literatura da Sociedade pois, se aquele aspecto da verdade que desconhece já contar com uma “luz vigente” ele estará “esperando pela TJ” em alguma página de alguma Sentinela, bastará pesquisar, encontrar, ler e concluir:

“Ah! Então é essa a verdade neste ponto” (não é conveniente ir direto a Bíblia pois, se a TJ chegar a uma conclusão diversa daquela que é considerada “a verdade” naquele tema, assim que souber disso terá que aderir ao ensino oficial - pelo menos enquanto ele estiver vigente).

Sobre este (no mínimo) paradoxo entre 2 Tm. 3:1-7 e aquilo que as TJ ensinar com base em Pv. 4:18 (tomando por correto tal ensino) em 1966 um leitor da Sentinela residente nos Estados Unidos enviou para a STV uma pergunta muito pertinente sendo que o objetivo neste novo artigo é considerar a pergunta feita e a resposta dada.

TRANSCRIÇÃO DA INTEGRA DA QUESTÃO COM COMENTÁ-RIOS

“Às vêzes há mudanças nos conceitos sobre assuntos bíblicos considerados nas publicações da Sociedade Torre de Vigia. Falamos daquilo em que cremos como sendo “a verdade” mas será que a verdade muda?” W.P.,EUA.
A grafia de todas as transcrições serão
mantida como se encontram na
Sentinela de 15/12/66 pp. 760-761

Esta questão, certamente, foi enviada por uma TJ (o que se pode concluir pelo trecho: “falamos daquilo em que cremos”) e a fez, certamente, por ter notado que certos pontos aquilo que já havia defendido como uma verdade bíblica - mudou com o passar do tempo.

A fim de que possamos notar se a resposta que vai se seguir, realmente, foi um “sim” ou um “não” é importante perceber bem o todo que compõem a questão e neste sentido a primeira percepção importante é que a transcrição acima contêm:

- DUAS AFIRMAÇÕES:

1 - Às vêzes há mudanças nos conceitos sobre assuntos bíblicos considerados nas publicações da Sociedade Torre de Vigia.

2 - Falamos daquilo em que cremos como sendo “a verdade”...
 e uma

- PERGUNTA: “mas será que a verdade muda?

NOTAR QUE:

- O leitor não perguntou se tem havido mudanças naquilo que têm sido publicado, ISSO ELE AFIRMA e também não se preocupa em diferençar se tais mudanças se dão em pontos maiores ou menores. O que afirma é que com o tempo pontos considerados - verdades bíblicas – mudaram (e na resposta se irá confirmar que isso realmente ocorreu).

- O leitor (pelo menos no momento em que fez a pergunta) cria que o
conjunto de ensinos que aprendeu na Sentinela constituía – a verdade  mas que diante de uma constatação inegável passou a ter dificuldades de continuar afirmando que entendimentos que mudaram com o passar do tempo eram – a verdade – ao menos que a verdade mude e por isso pergunta, coerentemente:
“...mas será que a verdade muda?”

Vejamos a reposta da STV separando-a em trechos:
--------------------------------------------------------------------------------------
"Realmente é a Bíblia que fala de crenças que estão em harmonia com as Escrituras como sendo “a verdade”. Em 2 Pedro 2:2, a adoração baseada em tais crenças é chamada de “o caminho da verdade”. Todavia, a respeito dêsse caminho da verdade, lemos em Provérbios 4:18: “A vereda dos justos é com a luz brilhante, que se torna cada vez mais clara, até o dia ficar firmemente estabelecido.” Assim, não sabemos tudo o que se deve saber."
--------------------------------------------------------------------------------------
Inicio chamando a atenção para a forma inteligente com a resposta começa:

Era óbvio que nesta resposta não poderia faltar a menção a Pv. 4:18 e para introduzir esta passagem bíblica o texto inicia relembrando o texto de 2 Pedro que contêm a palavra “caminho” a fim de “linkar” com o termo “caminho” (vereda) que aparece em Provérbios.

         OBS - Se você ler o texto de 2a Pedro verá o mesmo nada fala sobre ADORAÇÃO BASEADA EM ALGUMA CRENÇA (o texto se quer  tem a palavra – adoração) o que se diz ali é que pelo ensino de falsos mestres que iriam surgir com ensinos errôneos muitos iriam acabar confundindo a verdade com a mentira e com isso acabariam falando mal (ultrajando, segundo o texto) a própria verdade (ou caminho da verdade, como está no texto) e, consequentemente, de seus seguidores.

         Porém, de importante mesmo neste primeiro trecho da resposta da STV é relembrar que quando o texto afirma “não sabemos tudo o que se deve saber” o sujeito oculto -  “nós” - não pode (como seria natural) ser entendido como – cada TJ, individualmente.

Como já alertei no início, em última análise este “nós” tem que ser entendido como “o corpo governante das TJ”. O que este Corpo Governante, eventualmente, não souber - a TJ não poderá dizer que sabe. Se estes dirigentes afirmarem que passaram a saber algo que não sabiam, as TJ em todo o mundo também passarão a dizer que agora sabem e se estes homens disserem que algo (uma verdade bíblica qualquer) que se sabia como sendo “Sim” agora deve ser entendida como “Não”, todas as TJ passarão a afirmar “não” como sendo uma - verdade bíblica. (veremos exemplos disso mais abaixo)

Continuando é afirmado que:
--------------------------------------------------------------------------------------
"Com efeito, até mesmo quando começar o sistema de coisas depois do Armagedom não saberemos tudo. Por toda a eternidade sempre haverá o que aprender. Isto é indicado pelo que Paulo escreveu em Romanos 11 :33 : ´6 profundidade das riquezas, e da sabedoria, e do conhecimento de Deus! Quão inescrutáveis são os seus julgamentos a além de pesquisa sito os seus caminhos!´" 
--------------------------------------------------------------------------------------
O afirmado neste trecho foge completamente daquilo que se está buscando responder, afinal, a pergunta feita não foi se sempre haverá coisas NOVAS (portanto, antes desconhecidas) a aprender, mas sim, se aquilo que já se sabe e se chama de – a verdade – pode mudar sem deixar de ser - a verdade.

         O texto bíblico citado em apoio também em nada ajuda na resposta, pois o que indica é que o ser humano, por mais que pesquise, nunca vai conseguir conhecer a profundidade: das riquezas de Deus, da sabedoria de Deus, do conhecimento de Deus e nunca vai entender os julgamentos de Deus e os caminhos de Deus.  (certamente a mente criada nunca terá condições da ”alcançar” a “mente” que a criou)

OBS – Realmente foi muito infeliz a escolha do texto bíblico, pois, em relação ao tema que o mesmo traz (conhecer tudo o que há a conhecer sobre Deus), qualquer mente humana estará:

sempre aprendendo, contudo, nunca podendo chegar a um conhecimento exato da verdade.” 2Tm. 3:7

Aspecto importante que não podemos esquecer jamais é que o “não saberemos tudo” (expressão usado no trecho ora considerado), tem a ver, em primeiríssimo plano, não com cada TJ individualmente, mas sim, com o Corpo Governante das TJ, assim, se o texto de Rm. 11:33 se aplica “ao canal de comunicação de Deus” quanto mais se aplicará a quem depende de tal canal para saber no que deve crer sobre Deus e sobre qualquer outro tema bíblico!

Continuando, vou repetir o texto bíblico imediatamente anterior ao próximo trecho considerado a fim de não perder o contexto:
--------------------------------------------------------------------------------------
"em Romanos 11:33: "6 profundidade das riquezas, e da sabedoria, e do conhecimento de Deus 1 Quão inescrutáveis são os seus julgamentos a além de pesquisa são os seus caminhos !" É de se esperar, então, que às vézes haja mudanças de conceito. Nossa crença básica pode ser sólida verdade bíblica, mas talvez haja pormenores que não compreendíamos inteiramente no passado. Com o tempo, com a ajuda do espírito de Jeová, obtemos o esclarecimento sobre tais assuntos."
--------------------------------------------------------------------------------------
A afirmação inicial deste trecho: “É de se esperar, então, que às vezes haja mudanças de Conceito” em si, tem uma falha evidente, porém, desejada pelo escritor da resposta!

Note: O termo “então” indica “conclusão” e quer trazer à mente do leitor a pergunta:
“Com base em Rm.11:33, o que se conclui, então?”

A resposta natural seria: o ser humano nunca terá condições de conhecer tudo o que há para conhecer sobre - Deus. (está é a conclusão baseada no citado texto de Romanos).

Mas não é a essa conclusão que se deseja indicar, o que se deseja é que esta verdade expressa em Romanos (sobre Deus – sobre quem nunca vamos aprender tudo o que há para aprender) seja encarado como algo válido para todo o resto, para tudo que compõem o - conjunto verdades bíblicas! (e como se verá mais abaixo, quando forem citados exemplos, eles nada terão a ver com mudanças de percepção sobre Deus)

OBS - Se a verdade expressa no texto bíblico citado fosse (como deveria ser) o real contexto para todo o restante da afirmação, então: a compreensão de Deus seria “sólida verdade bíblica” e apenas alguns pormenores (sobre Deus) não seriam conhecidos mas, inclusive estes, com o passar do tempo, já estariam esclarecidos – o que nega por inteiro Rm. 11:33! (leia novamente o trecho acima e veja se não é essa a conclusão).

Se é verdade que qualquer conhecimento baseado na Bíblia se assemelha ao conhecimento que temos sobre Deus, então, sobre toda e qualquer verdade bíblica estaremos:

sempre aprendendo, contudo, nunca podendo chegar a um conhecimento exato da verdade.” 2Tm. 3:7

algo que o trecho da Sentinela, citada no início, afirma que as TJ não
querem ser.

Na teoria não é isso o que as TJ querem mas na pratica é exatamente assim que é, afinal, qualquer conhecimento bíblico pode, a qualquer momento, ser alterado e isso leva o Corpo Governante (e a reboque - todas as TJ) a estarem sempre aprendendo mas nunca podendo chegar a conhecimento exato algum!

Vejamos agora os exemplos que serão citados (que, é bom ressaltar, o escritor da resposta teve liberdade para escolher e narrar, na medida do julgou conveniente).
--------------------------------------------------------------------------------------

"Por exemplo, há alguns anos atrás tivemos uma excelente série de artigos em .4 Sentinela sobre as "autoridades superiores". (Exemplares de L° de junho — 1.° de julho de 1963) Antes de tais artigos serem publicados, sabíamos e ensiná-vamos que Jeová é o Altíssimo, e que Jesus Cristo é o segundo depois Dêle em poder e autoridade. Sabíamos que devíamos ser pessoas acatadoras da lei, mas que, quando houvesse conflito entre a lei do homem e a de Deus, obedeceríamos a Deus como governante antes que aos homens. Tais ver-dades básicas são atualmente as mesmas que antes ; não mudaram. No entanto, pelo cuidadoso escrutínio das Escrituras, viemos a avaliar que certos textos bíblicos deveriam ser aplicados de forma diferente. Por exemplo, compreendemos que as "autoridades superiores" mencionadas em Roma-nos 13:1 são, não Jeová Deus e Jesus Cristo, mas os governantes políticos. Isso também se dá com Tito 3 :1 e 1 Pedro 2 :13, 14. Todavia, a ver-dade básica não mudou. Nosso conceito para com Deus e para com o Estado é o mesmo que antes."
--------------------------------------------------------------------------------------

Este primeiro exemplo (em especial por ter sido precariamente narrado) ilustra muito bem a ideia que se quer defender, ou seja:

Conceito bíblico -  Importa obedecer antes a Deus do que aos homens, logo, se houver conflito entre aquilo que o homem ordena e aquilo que Deus ordena faremos o que Deus ordena. Se não houver conflito, devemos fazer o que o homem (as autoridades) ordenam.

Pormenor – Paulo, ao mencionar as “autoridades superiores” (Rom. 13:1), estava se referindo a Jeová e Jesus Cristo ou aos governantes humanos?

No pormenor o conceito pode variar mas, seja qual for o entendimento, o conceito bíblico sobre a quem se submeter quando ocorrer conflito entre a autoridade divina e secular permanece o mesma.

OBS – Poderia escrever várias linhas para narrar mais completamente esta questão que envolve as “autoridades superiores” do texto de Romanos, porém (já deixando uma brecha para um futuro artigo), faço apenas uma citação para comprovar que o tema foi restritamente narrado na resposta que estamos analisando a fim de parecer um tema secundário e de pouco valor, porém, a verdade é que há implicações seríssimas como base nesta questão. Note:

Na época em vigeu o entendimento (absurdamente incorreto) de que Rm.13:1 se refere a Jeová e a Jesus Cristo, a crença de que, na verdade, o texto se refere aos governantes humanos (exatamente o que você TJ que está lendo este texto - corretamente – defende hoje) foi descartada com uma argumentação tão veemente e estou certo que nenhuma TJ daquela época poderia se quer sonhar que as TJ poderiam voltar a defender que Paulo estava se referindo a  governantes humanos - como sendo uma verdade bíblica!

Note que argumentação “pesada” é usada no livro – “TJ no Propósito Divino” p. 91, para descartar que, ali, Paulo estava falando sobre governos humanos (quem estiver interessado na íntegra deste livro, o poderá encontrar em formato pdf no link:

Comentando sobre o trabalho de pregação da STV após a primeira grande guerra afirma: 

When the Society began to be freed for further preaching work following World War I, they soon realized they had been held in spiritual bondage too in many ways. There were many false doctrines and practices that had not yet been cleaned out of the organization . Not all of them were recognized at once, but gradually over the years that followed it became evident to what extent the brothers had been in Babylonish captivity at that time . With considerable misunderstanding they had accepted earthly political governments as the "superior authorities" that God had ordained according to Romans 13 :1 ; and as a result the Witnesses had been held in fear of man, particularly the civil rulers .


Tradução Livre:

... eles logo perceberam que de várias maneiras estiveram presos a um cativeiro espiritual. Havia muitas falsas doutrinas e práticas das quais a organização ainda não estava limpa. Nem todas estas doutrinas e práticas falsas foram reconhecidas de uma só vez mas gradualmente, ao longo dos anos que se seguiram, se tornou evidente em que medida os irmãos estavam em um cativeiro babilônico naquele tempo. Com considerável engano eles tinham aceito governos políticos terrenos como as "autoridades superiores” que Deus ordenou de acordo com Romanos 13: 1; e como resultado as Testemunhas de Jeová tiveram medo do homem, especialmente dos governantes. 

Perceberam? Crer que Rm.13:1 se refere a governos humanos é crer na falsidade, é crer em um ensino falso que localiza quem nele acredita como vivendo em um cativeiro babilônico (na linguagem das TJ isso significa crer em um ensino pregado pela religião falsa), por fim, é crer em um considerável engano que as TJ abandonaram  por terem deixando práticas e doutrinas da religião falsa ao longo do tempo! (como uma TJ que leu as palavras deste livro à época – e creu nela como sendo uma urgentíssima verdade bíblica a ser conhecida - poderia imaginar que algum dia as TJ voltariam a ensinar que  Rm.13:1 se refere a governantes humanos?)

Creio que isso é suficiente para comprovar, conforme afirmei, que o tema baseado em Rm.13:1 foi muito superficialmente narrado na resposta que estamos analisando e que diante da gravidade que envolve a mudança de entendimento sobre quem são as “autoridades superiores” de Rm.13:1 afirmar que embora com esta variação de entendimento a verdade sobre a sujeição relativa não mudou, em nada diminui a importância e o dilema que esta questão continua gerando, afinal, se o abandono ao entendimento de Rm.13:1 se refere aos governantes humanos foi encarado como sinal claro de libertação do ensino falso para avançar no conhecimento da exata verdade bíblica, o retorno a tal crença significa o que? (ficou claro que esta questão envolvendo o texto de Romanos é gravíssima?)

 Vejamos mais da resposta:
--------------------------------------------------------------------------------------
"Similarmente se deu com nosso estudo da res-surreição. Críamos na ressurreição dos mortos antes de nossa série de artigos da Sentinela (exemplares de 15 de julho — 1.° de outubro de 1965) sobre o assunto, e cremos nisso agora. Também criamos que 144.000 pessoas seriam ressuscitadas para a vida celeste com Cristo. Criamos que muitas pessoas mais seriam ressuscitadas quais humanos ; que algumas dentre elas seriam pessoas que serviram fielmente a Deus no passado, e que outras seriam as que tinham vivido 'injustamente'. Críamos também que uma grande obra educativa ocorreria quando fôssem ressuscitadas. Tais verdades não mudaram. Mas, agora entendemos que, segundo as Escrituras, muitas pessoas mais hão de retornar  do que esperávamos. Assim, ao invés de pormos de lado a verdade da ressurreição, esta foi ampliada, e nossa apreciação do amor e da misericórdia de Jeová em prover a ressurreição foi realçada." 
--------------------------------------------------------------------------------------
Poderia escrever muito sobre cada um destes exemplos a fim de demonstrar, como fiz com a questão das autoridades superiores, que estes entendimentos modificados de pontos (ditos) menores, que não alteraram as respectivas crenças centrais a eles vinculadas têm, na verdade, seríssimas implicações e desdobramentos, mas como não é esse o objetivo deste artigo não vou assim fazer, então continuemos:
--------------------------------------------------------------------------------------
"Isto esta em contraste direto com o que ocorreu entre certos homens a respeito de quem Paulo escreveu a Timóteo, conforme registrado em 2 Timóteo 2:18: "Estes mesmos [homens] se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição já, ocorreu; e estão subvertendo a fé que alguns têm." Tais homens não mais tinham nenhuma esperança na ressurreição; criam que já se achava no passado tudo o relacionado com ela. Mas, estavam pondo de lado a verdade que Jesus ensinara." 
--------------------------------------------------------------------------------------

Estou certo que se o escritor desta resposta tivesse revelado que
Charles Taze Russell, que iniciou o movimento que veio a se transformar nas atuais TJ, cometeu o mesmíssimo erro que os homens que o Ap. Paulo mencionou (Russell, em seu tempo, também veio a defender – e defender como “verdade bíblica” - que a ressurreição já havia ocorrido) teria evitado este exemplo pois, se aqueles homens citados por Paulo, ao ensinarem tal coisa, se desviaram da verdade que Jesus ensinara, Russell também “se desviou da verdade que Jesus ensinara” quando ensinou o mesmo que eles!
Mas sobre Russell o que a STV afirma é algo bem diferente como, por exemplo, na Sentinela de 15/8/14 p. 31:

“EURECA!” Essa palavra significa “descobri”. Durante a corrida do ouro do século 19 na Califórnia, EUA, mineradores gritavam essa palavra ao encontrar ouro. Mas Charles Taze Russell e outros Estudantes da Bíblia haviam descoberto algo muito mais valioso: a verdade bíblica. E seu desejo era falar dela a outros.

Tire suas conclusões!

Por fim:
--------------------------------------------------------------------------------------
"Semelhantemente, na cristandade tem havido mudanças de conceito; mas respeitam a Bíblia como sendo mito e põem de lado seu código moral como estando ultrapassado."
--------------------------------------------------------------------------------------
A observação inicial sobre a Cristandade é intrigante, pois, parece querer indicar que não são só as TJ que mudam de conceito, as pessoas da Cristandade também o fazem (portanto, não podem querer criticar as TJ por suas mudanças). Mas se a Cristandade faz de forma semelhante as TJ (muda de conceito no secundário mas mantém o principal) e a resposta acabou de defender que tais mudanças não são problemáticas para as TJ, também não o são para a Cristandade (não é isso que a desqualifica).

O restante da afirmação sobre aquilo que chama de Cristandade, como toda a generalização, é perigosa e neste caso restou bastante injusta e, posso afirmar, falsa, pois, é doutrina histórica das “igrejas da cristandade” que a Bíblia é a inerrante palavra de Deus e é regra de fé e prática (basta que uma única TJ  - que pode ser você que está lendo este texto - conheça uma única pessoa da cristandade que não tem a bíblia por mito e que segue o código de moral da bíblia, para ficar comprovado que a generalização acima é falsa).

 "Que tremenda diferença entre o que ocorre entre eles e o que Jeová faz em favor de seu povo, a fim de harmonizar ainda mais o nosso modo de pensar com a sua inspirada Palavra da verdade!" 

Não vou me prender à diferenciação que o texto quer indicar mas sim no fato de que, neste final, se afirma que o responsável por fazer as TJ irem progredindo no conhecimento da inspirada palavra da verdade (da forma com tem ocorrido ao longo dos anos na STV) é o próprio Jeová (e isso é muito sério – embora totalmente lógico e necessário dentro daquilo que as TJ ensinam).

Notem a "sinuca de bico" em que ficam as TJ nesta questão de Rm. 13: 

Segundo alegou a STV foi o próprio Jeová quem as conduziu a deixarem o errôneo entendimento original (que identificava como sendo os governos humanos, aqueles mencionados em Rm.13:1) para passarem a entender que tal governo se refere a Ele próprio e a Jesus, sendo que ao assim fazer Jeová estava limpando e distanciando seu povo do cativeiro espiritual babilônico. 

Ocorre que este mesmo Jeová também foi o responsável por fazer você,  TJ (via Corpo Governante), a voltar a acreditar em ensino que indica (no ponto de vista da publicação citada) em uma doutrina errada que coloca as TJ como estando sujos do cativeiro babilônico! 

Você realmente acredita que Jeová  reconduziria o CG, você e as toda as demais TJ para tal estado?

CONCLUINDO – A TJ que fez a pergunta que analisamos deve ter ficado bastante decepcionada com a resposta porque ela, no fundo, afirma que  dentre o conjunto de verdades que as TJ defendem usando a Bíblia existem aquelas (ainda que, supostamente,  secundárias) que mudam sim!

         Aqui tenho que voltar a chamar a atenção para o título da capa do livro reproduzido no primeiro artigo deste Blog: “O Que a Bíblia Realmente Ensina?”: será que tal livro, ao menos em relação às "verdades menores" que contêm, alerta aos leitores que, não obstante o título constante da capa, nem tudo o que nele está escrito pode ser, realmente, o que a Bíblia realmente ensina?

Não o livro não faz isso e nem poderia fazer pois, isso seria uma negação ao título dado ao livro!

E você TJ que está lendo este artigo? Passará a ter a honestidade de ressaltar às pessoas que encontrar em seu serviço de campo ou nos estudos domiciliares que conduzir que existem verdades “menores” de sua fé que podem ser verdadeiras ou não?

Seu trabalho de pregação não é (ou pelo menos não deveria ser) para agradar a homens mas sim a Deus e certamente, Ele não se agradará de que você, após alertado, continue ensinando coisas como sendo – aquilo que a Bíblia realmente ensina – quando sabe que tais coisas podem, sejam elas grandes ou pequenas, mudar a qualquer momento!

TJ – A verdade, seja ela “grande” ou “pequena” – não muda nunca pois:

Toda boa dádiva e todo presente perfeito vem de cima, pois desce do Pai das luzes [celestiais], com quem não há variação da virada da sombra” (Tg. 1:17)

Pense nisso: se quem manda a “luz” para o Corpo Governante é Jeová (como reivindica o CG) então a verdade que Dele vem, “seja grande ou pequena” tem que ser assim como Ele é – perfeita e imutável.
-------------------
   Quer comentar? Quer discordar? Quer sugerir alguma melhora no texto? Quer indicar alguma necessária correção gramatical? Quer ajudar na tradução do texto em Inglês?

Escreva para mim - 1tessalonicenses5.21@gmail.com (desde já - agradeço).